nota a nota quando calha, quando estou para aí virado
.posts recentes

. NOTASSEMUITO

. VOLTAR

. nota-se logo

. Dezasseis meses depois

. Nota-se que já é Junho!

. A 3ª Nota

. Nota de Re-Abertura

. Nota de Abertura

.arquivos

. Novembro 2010

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Junho 2005

. Fevereiro 2005

Quarta-feira, 24 de Novembro de 2010
NOTASSEMUITO

NOTASSEMUITO

publicado por Joao Alves às 10:45
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 5 de Novembro de 2006
VOLTAR

Este titulo tem uma tripla justificação.

A primeira, a mais óbvia, é porque "esta é primeira vez depois da ultima que foi em tanto do tal do mês tal do ano tal que aqui estive" ( como discursaria de forma preclara o Venerando Presidente da Republica Excelentíssimo Senhor Almirante Américo de Deus Rodrigues Thomaz, isto antes do regresso à terra que o viu nascer e onde tinha exercido de forma tão eloquente a sua digna magistratura, antes do forçado exilio a que o obrigaram os ventos adversos que varreram esta Nação de Navegadores. De verdadeiro regresso à terra foi mesmo o que acabou por lhe acontecer, a ele que era pó, e em pó se iria transformar, segundo a formula que não lhe deixaram verter em discurso, quando ficou depositado no cemitério.

A segunda, (porque como escreveu em titulo de livro de poemas dos finais dos anos setenta do século passado, o jornalista, escritor, poeta, boémio, transmontano, Eduardo Guerra Carneiro, "Isto Anda Tudo Ligado", antes de também aderir ao "Clube dos Poetas Mortos", e se transformar em pó), porque depois de muitas hesitações e prorrogações de prazos, vi na semana passada o "Voltar" (ou "Volver" em Castelhano) do Pedro Almodovar, e para quem o viu percebe porque falo de mortes, cemitérios e pó.

A terceira, (porque não há duas sem três),  porque no passado dia 1 de Novembro, acompanhando a minha sogra, voltei ao Cemitério onde residem os restos mortais do meu sogro, num condomínio em forma de aglomerados de gavetões alinhados e sobrepostos, num T 0 que ele partilha com as cinzas da sogra dele, a mãe da minha sogra, e a que esta costuma fazer a limpeza e manutenção, incluindo mudança de flores e substituição de àgua na jarra. 

Já não ia lá há varios anos, a minha consorte, a filha da minha sogra, é que a tem acompanhado. Na minha família nunca se cultivou o culto dos mortos: - Os corpos vão para debaixo da terra; Ao fim de alguns anos recebe-se a comunicação de que os ossos vão ser levantados, e isso será feito pelos competentes funcionários camarários, que encaminharão os ossos para onde acharem conveniente. A Alma, que é o que interessa, espera-se que  já esteja em amena cavaqueira com Deus Nosso Senhor, desde o segundo imediato àquele em que exalou o ultimo suspiro, ou em versão mais soez, " em que deu o peido mestre". 

Mas o que é certo, é que o ambiente vivido no cemitério era em tudo semelhante ao representado no filme do Almodovar, tirando talvez o não correr vento nenhum, e estar um calor anormal, e não se ouvir "hablar" castelhano, embora hovesse uma forte representação de familias daquela minoria étnica que se costuma associar ao nomadismo, ao contrabando, aos tráficos variados, enfim, de certo erradamente à aldrabice, cuja musica tem muito de "flamengo", (que não o queijo) e que actualmente já entraram no sedentarismo, no empreendorismo local, que já adquiriram jazigos de familia que abrem e arejam amiudadas vezes ( ou será que os ocuparam? - cala-te boca!!), com grande estendal de cadeiras e bancos, com as mulheres mais perto do jazigo, e os elementos masculinos sentados no muro de um fontanário próximo, em amena cavaqueira, não directamente  com Deus Nosso Senhor, mas talvez lá perto.

A minha maior admiração foi para a aculturação que se está a verificar, e que os hábitos ancestrais desta minoria étnica (cujo nome ainda não proferi) não têm conseguido travar, que leva a que além dos elementos do sexo masculino que já há varios anos vestem as contrafacções que habitualmente vendem nas varias feiras ( de Carcavelos e similares), também os elementos femininos da geração mais jovem exibam graciosamente cabelos das mais variadas cores que não o tradicional negro azeviche bem oleado, e roupas com acessórios e arrebiques da moda em vigor, que além da diminuta superfície total de corpo que cobrem, são cada vez mais oriundas das lojas dos (ai! que quase ia escrevendo a origem deles!) comelciantes que vêm do Oliente  e ablem comelcios em todos os lugales além dos lestaulantes.

Tanto quanto palece, estes tais do Oliente, têm outlas folmas de lidal com seus moltos, tanto que não se dá pol eles aqui.

Mas isso são outlas voltas. 

 

publicado por Joao Alves às 15:20
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 23 de Outubro de 2006
nota-se logo

Nota-se logo, para quem não saiba: Eu sou um avô babado e babôso ( que não Barroso e muito menos Durão), e obviamente e legitimamente preocupado com o futuro do rapaz, que é o meu neto, o filho do meu filho.

Vejo-o muito menos vezes do que desejava, mas 300 km separam-nos, já que é esta a distância de minha residência à residência do rapaz, que é o meu neto, o filho do meu filho  (e dos progenitores, respectivamente o meu filho e a minha nora), no Algarve.

De vez em quando vamos nós, a minha senhora, a minha esposa, a minha cara metade e eu (não somos quatro, somos só dois) lá abaixo, outras vezes avançam eles até à Capital da Republica de Portugal e do Algarve, das Ilhas  dos Açores. e do Alarve da Ilha da Madeira.

Foi o que aconteceu há uma semana e tal.

E estou muito satisfeito, porque o rapaz  que é o meu neto, o filho do meu filho, já demonstra grande aptidão para político!!

Em estreia mundial absoluta, defecou pela primeira vez em bacio em nossa casa, ou seja: cagou para nós, o que se por um lado não augura nada de muito bom nas relações futuras com os avós, pelo outro, a capacidade demonstrada de fazer merda indicia que vai ser um grande politico!! 

 

Estou muito satisfeito porque consegui inserir a foto do cagalhão no bacio, foi muito dificil para mim, a tecnologia tem destas coisas, mas consegui transferi-la!

Agora vem a outra, em que sobranceiramente ele olhava os patos que chafurdavam no lago, com pensamentos que quase se ouviam, do género: " Aguentem aí que eu já os lixo", ou "Não perdem pela demora".

 

 Tenho ou não razão por estar orgulhoso com o rapaz  que é o meu neto, o filho do meu filho, pelas aptidões que demonstra para ser um grande politico em terra de patos?

publicado por Joao Alves às 22:54
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 7 de Outubro de 2006
Dezasseis meses depois

Mais do que os burros!! Longo periodo de gestação em que obliterei completamente o acesso bloguistico.

Deparo-me agora com nova designação e endereço no Sapo, e esta entrada (Post, não é?, posta de bacalhau não é certamente, e a pescada que antes de ser já o era,  não bate assim).

Enfim, o post que fica, o que resta, não é restea, de alhos, nem de malhos, aos molhos qual alecrim, o post é o restante, não o restaurante, com bacalhau, pescada, alhos, alecrim, e porque não a lacrimejar por causa da cebola. Bolas! para já chega. Atenção experiência um, dois, um dois.  

publicado por Joao Alves às 15:23
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 4 de Junho de 2005
Nota-se que já é Junho!
Os entusiasmos iniciais, que em bom português de cá se costumam designar por uma palavra que no português "dji lá" se usa no sentido cordato de prazer e satisfação, e começa por "T", acaba em "ÃO", e no meio tem um "E" e um "S", de fluxo das vias urinárias, que me levaram a criar um blog, arrefeceram quase imediatamente, deixando o desgraçado ao frio e não à chuva por causa da seca do caraças.

Hoje, motivado por um email recebido e re-enviado a um amigo meu, que indicava os blogs que o dito pratica, um de teor poético, outro mais artes visuais /fotográficas, resolvi re-abrir esta coisa, e debitar mais uma nota talvez falsa, de certeza sem salsa, talvez de balsa que é madeira leve, e que não há cá nas florestas. Talvez não arda. Mas também se arder, o que arde cura.

E pronto final por agora parágrafo.


publicado por Joao Alves às 10:23
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 20 de Fevereiro de 2005
A 3ª Nota
Quando saí para comprar o "Público", passei por uma escola primária (ou Básica, ou EB1, como agora se chama), e vi uma grande fila de gente a caminho da dita escola, e pensei que iam frequentar algum curso de educação de adultos, ou, outra hipótese, que iriam tratar da inscrição dos filhos e netos para o próximo ano lectivo, já que a possibilidade de serem professores a responder ao concurso para colocação me pareceu longínqua, já que essa, quando funciona, é pela internet.

Depois os meus neurónios explodiram! Eram as eleições! A tal coisa que era "a tal" eram as eleições! Depois da profundidade do período de reflexão, entrei num estado quase hipnótico, e quase me ia esquecendo de exercer o meu direito de voto! Felizmente despertei a tempo, contribuindo com o meu voto para quase triplicar a votação anteriormente obtida, pela força politica em que votei. Claro que com a maioria absoluta do Partido Socialista, aquela triplicação pouco efeito terá. Aliás, penso que o Parlamento poderia poupar muito dinheiro, e funcionar apenas com o partido de maioria absoluta, e as decisões tomadas por unanimidade.

Mas mesmo assim estou satisfeito, porque consegui lembrar-me a tempo do que tinha para fazer no dia 20.
publicado por Joao Alves às 22:52
link do post | comentar | favorito
|
Nota de Re-Abertura
Foi tal a ressaca que me deu após o esforço efectuado para realizar a nota de abertura, que só agora, domingo, dia 20 de Fevereiro, (espera: hoje tenho qualquer coisa para fazer! O que será?) me sinto em condições de re-abrir as notas. Ao princípio vinha espreitar o que tinha escrito, orgulhoso da paternidade, depois pensava que ninguém ia dar com isto e portanto não haveria mais valias.
Pelos vistos, ou melhor, pelos lidos, houve pelo menos três entidades que por cá passaram (uma devia ser gaga, porque deixou duas vezes o mesmo comentário (qualquer coisa "bloco", não sei se era para complementar as notas com um "bloco" - notas), mais um outro que escrevia sobre enxovais, e se referia a uns esclarecimentos debatidos, escrevia sobre um doutor Louçã, e sobre um engenheiro Socrates, parece que teria uma televisão avariada que só tinha metade do ecrã, porque penso que havia mais gente no tal debate ou lá o que era aquilo.
Ah! Já me lembro do que tenho de ir fazer, hoje, que é Domingo: Ir comprar o "Público".
Mas espera! Isso faço eu todos os dias! Então o que será que tenho de fazer hoje?
Estou quase com a "Inquietação" do José Mario Branco, porque sei que essa coisa é que era a tal!
O que será??
publicado por Joao Alves às 11:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 15 de Fevereiro de 2005
Nota de Abertura
Esta história dos blogs ainda é um assunto quase esotérico para mim.
Na revista da Deco, vi um titulo: "Blogues como criar um", assim mesmo, sem :, (quero dizer sem dois pontos, virgula ou qualquer outra pontuação) em que era explicado mais ou menos tim tim por hergé, perdão por tim tim como se pode criar o tal blog.
Fiquei muito satisfeito, porque parece que não é preciso incubadora, nem alimentações especiais, lá fui seguindo as instruções, e aqui estou.
Claro que isto ainda está muito despido, estilo casa de recém casados sem dinheiro, nem lata ou arte para convencerem uns desgraçados duns vagos familiares, eventuais amigos dos pais e colegas, a virem compartilhar o grande dia do casamento com os noivos, e com todos os que lhes são queridos, ou melhor, caros, porque as listas de prendas são muitas vezes obscenas, pelos artefactos e electrodomésticos que são sugeridos como paga pela participação no copo de água.
A intenção é ir debitando notas ( e creditando, e acreditando) que alguém alguma vez as lerá, e lhes achará alguma valia, ou se mais valia estar sossegado.
Por aqui me fico, que são duas da matina da noite que foi do dia dos namorados, e até já me referi a recém casados.
publicado por Joao Alves às 02:00
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Novembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds